O projeto do Repassa é uma daquelas idéias que vai transformar a sua visão sobre doações para entidades assistenciais. Unindo consumo consciente com desenvolvimento sustentável no mercado da moda, o Repassa surgiu do desejo do publicitário e empresário Tadeu Almeida de criar uma ação que, além causar impacto positivo na sociedade também seria capaz de poupar a natureza. Estamos falando aqui da compra e venda de roupas usadas e o Repassa não só traz um novo conceito de consumo como também pretende se tornar referência neste segmento.

No Brasil, é cada vez maior o número de lojas do segmento de roupas de segunda mão e este crescimento se deve ao aumento de consumidores que buscam alternativas ao consumo tradicional. Não apenas pelo fato de estarmos em crise mas, principalmente, pelo número crescente de consumidores que partiram para um novo estilo de vida, mais sustentável e com menos impacto para o planeta e é justamente aqui que se encaixa o Repassa.

repassa-foto-1

“A indústria da moda é uma das mais poluentes do mundo e a forma mais eficiente de diminuir esse impacto é dando mais ciclos de vida para as nossas roupas. Afinal, uma peça gentilmente usada, é tão boa, bonita e útil quanto uma nova, mas é até 90% mais barata e muito mais exclusiva”, diz Tadeu.

Muitas pessoas quando se lembram das peças usadas e esquecidas que têm, logo pensam em doar para alguma entidade social e, por mais que estejam em excelentes condições de uso, para quem recebe, nem sempre é viável pois terá que promover e vender para então conseguir transformar doações em dinheiro. E foi de posse destas informações e com o objetivo de unir estes dois elos da cadeia que Tadeu definiu a missão da sua empresa: fazer o bem repassando as peças de roupa que não são mais usadas. “Na era da conexão, do compartilhamento, a gente repassa o tempo todo, mas só coisa boa, em que a gente acredita, então, o nome veio bem a calhar”, completa.

repassa-foto-2

A plataforma do projeto foi desenvolvida em 2015 e o modelo adotado foi o mesmo utilizado por outras empresas existentes no mercado. Deu certo, teve ótima aceitação dos usuários mas Tadeu pensou em facilitar ainda mais a vida do consumidor que muitas vezes não tem tempo disponível para fotografar as peças e colocar a venda na plataforma. Surgiu então a Sacola do Bem, uma forma muito mais fácil de vender roupas pela internet sem ter trabalho algum. O cliente pede a sacola pelo site e o Repassa envia diretamente para a casa do cliente que seleciona as peças que serão doadas e vendidas e retorna a sacola para a empresa.

Todo o trabalho de curadoria e certificação, fotografia, cadastro, armazenamento e envio das mercadorias ao consumidor é realizado por uma equipe qualificada da plataforma. A cada venda efetuada o cliente recebe 60% do valor e ainda podem optar por contribuir autorizando a empresa a fazer um Repasse Solidário onde escolhe uma porcentagem do valor de venda para ser doado para ONGs parceiras do projeto como GRAAC, Fundação ABRINQ, Mães da Sé e Saúde Criança, entre outros.
Com este novo modelo de venda, assumindo todo o trabalho que vai da seleção das peças a publicação de forma profissional, o número de clientes cresceu bastante e o caminho entre a doação e as entidades ficou mais curto e direto.

repassa-foto-3

“Muitas clientes entram em contato com a gente agradecendo e dizendo que vão divulgar para todas as suas amigas. Adoramos quando isso acontece e como achamos que toda boa ação deve ser retribuída, desenvolvemos uma forma justa de remunerar cada recomendação que um cliente faz de forma recorrente e em vários níveis de conexão” explica Tadeu.

O Repassa ainda conta com a parceria de influenciadoras como Paty Scaringela, Lu Taboada e Luiza Sobral, que possuem uma vitrine solidária dentro do site. Como elas se tornam solidárias? Doando peças do próprio guarda-roupa que são muito cobiçadas pelos seus seguidores que acabam comprando estas peças na plataforma. De uma forma direta, elas contribuem para as entidades e para o desenvolvimento sustentável da moda, impedindo que suas roupas sejam descartadas de forma incorreta e prejudicando o meio ambiente.

Segundo o empresário e fundador do Repassa, somente no início deste ano a empresa cresceu 417% e têm uma projeção de crescimento ainda maior até o final de 2017.
Quer saber mais sobre o Repassa? Clique aqui e faça uma vista!

Fotos: Divulgação